Nada mais que Pessoa(s)


por Fernando Moura Peixoto*
Homenagem a Fernando Pessoa (1888 – 1935), 80 anos de falecimento em 30 de novembro próximo.
 "A memória é a consciência inserida no tempo." FERNANDO PESSOA (1888 - 1935)
Nada mais do que pessoas... Pessoas que se deixaram retratar em casa, no trabalho e, principalmente, nas ruas, tendo como cenário o bairro de Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro, com o monumento ao Cristo Redentor abençoando todos. Gente como a gente, “ordinary people”, “common people”, como se diz nos States.
 “Hoje em dia há imagem demais e fotografia de menos” segundo o incensado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, de projeção internacional. Ainda bem que assim seja. A revolução das maquininhas digitais possibilitou a qualquer um clicar os melhores e piores momentos, seus ou dos outros, democraticamente. Pretender elitizar a fotografia - e também a poesia - é uma grande insensatez. Os “selfies” – ou “selfishes”, como os chama o humorista J. Praiano – parece que vieram para ficar.
Fotografa-se até no banheiro. Pude registrar uma frase do poeta lusitano Fernando Pessoa (1888 – 1935) grafitada num rejunte de azulejo em toalete de bar na Rua Sorocaba – “A minha arte é ser eu...” – graças à praticidade da tecnologia digital. Esnobado pela mídia carioca o assunto pipocou em blogs nos estados - “O Poeta Pessoa Num Banheiro Em Botafogo” - e atravessou o Atlântico. Foi parar na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, e na Universidade Fernando Pessoa, no Porto, em Portugal, e retornou elogiado:
 “Caro Senhor Fernando. Muito obrigada por esta partilha [Nada Mais do Que Pessoa(s)]. Com os melhores cumprimentos e ao dispor.” Cecília Folgado, Responsável de Comunicação, CASA FERNANDO PESSOA, Rua Coelho da Rocha, 16, Lisboa, Portugal.  www.casafernandopessoa.pt |  Facebook | Instagram
 “Prezado Fernando Moura Peixoto. Agradeço o seu e-mail e as imagens. Realmente, o banheiro seria um dos últimos sítios onde esperaríamos ver uma citação de Fernando Pessoa, o grande poeta da língua portuguesa. Com os melhores cumprimentos.” Ana Moutinho, Porto, PT. - GRI/International Relations Office UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA - Praça 9 de Abril, Porto, Portugal.
Paraense radicada em nossa cidade há muitos anos - justo no bairro de Botafogo -, a cronista e cantora Lúcia Senna pensa de maneira diferente:
 “Aí reside a graça da vida: no inusitado. Quando poderíamos esperar em encontrar Pessoa em um banheiro imundo? Inusitado também o fato do outro Fernando, o Peixoto, tirar a foto da poesia e conosco compartilhar. Coisa de gente sensível!
Bem... Mas como já dizia o nosso grande compositor mineiro Milton Nascimento, ‘todo poeta tem que ir aonde o povo está’... E, sem dúvida, o povo também está nos banheiros imundos dos bares do nosso Brasil. Interessante! Gostei.”
Dedicado a Fernando Pessoa - cujo falecimento ocorreu há 80 anos, em 30 de novembro de 1935 - o vídeo “Nada Mais Do Que Pessoa(s)” teve as fotos realizadas com bom humor entre 2012 e 2015, concordem os puristas da imagética tradicional ou não.
 “Se imagino, vejo. Que mais faço eu se viajo? Só a fraqueza extrema da imaginação justifica que se tenha que deslocar para sentir.”
 “A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos.”
“O mito é o nada que é tudo.”
"O sexo oposto existe para ser procurado e não para ser compreendido."
 "A minha pátria é a língua portuguesa."
 “A minha arte é ser eu. Eu sou muitos. Mas com o ser muitos, sou muitos em fluidez e imprecisão. Muitos creem coisas falsas de mim; e eu, falando com eles, faço tudo por deixá-los continuar nessa crença.”
“Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia, não há nada mais simples. Tem só duas datas – a de minha nascença e a da minha morte. Entre uma e outra todos os dias são meus.”
FERNANDO ANTÓNIO NOGUEIRA PESSOA
(13/06/1888 – 30/11/1935)
 Na trilha sonora, o Duo Francisco Mignone, formado pelas pianistas Maria Josephina Mignone e Miriam Ramos, interpreta “Travesso”, “Odeon” e “Apanhei-te Cavaquinho”, do carioca Ernesto Nazareth (1863 – 1934). Considerado porVilla Lobos (1897 – 1959) a verdadeira encarnação da alma musical brasileira”, infelizmente Nazareth hoje é mais conhecido no exterior do que em seu próprio país. Os arranjos são de Francisco Mignone (1897 – 1986).

Fernando Moura Peixoto (ABI 0952-C)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Invitación a los escritores latinos a participar de la edición Nós da Poesia y Nosotros

“Santa Leitura” recebe convidados especiais neste domingo e lança concurso de redação

Geraldo Vandré: Homenagem e reflexão