Pular para o conteúdo principal

Nada mais que Pessoa(s)


por Fernando Moura Peixoto*
Homenagem a Fernando Pessoa (1888 – 1935), 80 anos de falecimento em 30 de novembro próximo.
 "A memória é a consciência inserida no tempo." FERNANDO PESSOA (1888 - 1935)
Nada mais do que pessoas... Pessoas que se deixaram retratar em casa, no trabalho e, principalmente, nas ruas, tendo como cenário o bairro de Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro, com o monumento ao Cristo Redentor abençoando todos. Gente como a gente, “ordinary people”, “common people”, como se diz nos States.
 “Hoje em dia há imagem demais e fotografia de menos” segundo o incensado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado, de projeção internacional. Ainda bem que assim seja. A revolução das maquininhas digitais possibilitou a qualquer um clicar os melhores e piores momentos, seus ou dos outros, democraticamente. Pretender elitizar a fotografia - e também a poesia - é uma grande insensatez. Os “selfies” – ou “selfishes”, como os chama o humorista J. Praiano – parece que vieram para ficar.
Fotografa-se até no banheiro. Pude registrar uma frase do poeta lusitano Fernando Pessoa (1888 – 1935) grafitada num rejunte de azulejo em toalete de bar na Rua Sorocaba – “A minha arte é ser eu...” – graças à praticidade da tecnologia digital. Esnobado pela mídia carioca o assunto pipocou em blogs nos estados - “O Poeta Pessoa Num Banheiro Em Botafogo” - e atravessou o Atlântico. Foi parar na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, e na Universidade Fernando Pessoa, no Porto, em Portugal, e retornou elogiado:
 “Caro Senhor Fernando. Muito obrigada por esta partilha [Nada Mais do Que Pessoa(s)]. Com os melhores cumprimentos e ao dispor.” Cecília Folgado, Responsável de Comunicação, CASA FERNANDO PESSOA, Rua Coelho da Rocha, 16, Lisboa, Portugal.  www.casafernandopessoa.pt |  Facebook | Instagram
 “Prezado Fernando Moura Peixoto. Agradeço o seu e-mail e as imagens. Realmente, o banheiro seria um dos últimos sítios onde esperaríamos ver uma citação de Fernando Pessoa, o grande poeta da língua portuguesa. Com os melhores cumprimentos.” Ana Moutinho, Porto, PT. - GRI/International Relations Office UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA - Praça 9 de Abril, Porto, Portugal.
Paraense radicada em nossa cidade há muitos anos - justo no bairro de Botafogo -, a cronista e cantora Lúcia Senna pensa de maneira diferente:
 “Aí reside a graça da vida: no inusitado. Quando poderíamos esperar em encontrar Pessoa em um banheiro imundo? Inusitado também o fato do outro Fernando, o Peixoto, tirar a foto da poesia e conosco compartilhar. Coisa de gente sensível!
Bem... Mas como já dizia o nosso grande compositor mineiro Milton Nascimento, ‘todo poeta tem que ir aonde o povo está’... E, sem dúvida, o povo também está nos banheiros imundos dos bares do nosso Brasil. Interessante! Gostei.”
Dedicado a Fernando Pessoa - cujo falecimento ocorreu há 80 anos, em 30 de novembro de 1935 - o vídeo “Nada Mais Do Que Pessoa(s)” teve as fotos realizadas com bom humor entre 2012 e 2015, concordem os puristas da imagética tradicional ou não.
 “Se imagino, vejo. Que mais faço eu se viajo? Só a fraqueza extrema da imaginação justifica que se tenha que deslocar para sentir.”
 “A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos.”
“O mito é o nada que é tudo.”
"O sexo oposto existe para ser procurado e não para ser compreendido."
 "A minha pátria é a língua portuguesa."
 “A minha arte é ser eu. Eu sou muitos. Mas com o ser muitos, sou muitos em fluidez e imprecisão. Muitos creem coisas falsas de mim; e eu, falando com eles, faço tudo por deixá-los continuar nessa crença.”
“Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia, não há nada mais simples. Tem só duas datas – a de minha nascença e a da minha morte. Entre uma e outra todos os dias são meus.”
FERNANDO ANTÓNIO NOGUEIRA PESSOA
(13/06/1888 – 30/11/1935)
 Na trilha sonora, o Duo Francisco Mignone, formado pelas pianistas Maria Josephina Mignone e Miriam Ramos, interpreta “Travesso”, “Odeon” e “Apanhei-te Cavaquinho”, do carioca Ernesto Nazareth (1863 – 1934). Considerado porVilla Lobos (1897 – 1959) a verdadeira encarnação da alma musical brasileira”, infelizmente Nazareth hoje é mais conhecido no exterior do que em seu próprio país. Os arranjos são de Francisco Mignone (1897 – 1986).

Fernando Moura Peixoto (ABI 0952-C)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição Aspectos Urbanos reúne artes visuais de Iara Abreu e poesia de vários poetas em Ouro Preto

Iara Abreu e vários dos poetas participantes são coautores do coletivo Nós da Poesia

Imperfeita Desarmonia de Fernando Antônio Fonseca tem lançamento na próxima Feira de Poesia Especial

Fernando Antônio Fonseca e Scortecci Editora convidam para o Lançamento do livro “Imperfeita Desarmonia”, dia 26/01/2017, às 19:30 hs, no Feira de Poesia Especial. Local: Centro Cultural Padre Eustáquio Rua Jacutinga, 821 (anexo a Feira Coberta) Entrada Franca

Vem aí o Segundo Festival Cultural e Concurso Literário do Sarau da Onça

O II Festival de Arte, Cultura e Concurso Literário Sarau da Onça foi aprovado no edital Setorial de Literatura da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb). “O projeto tem patrocínio do Governo do Estado, através do Fazcultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia”.

O Sarau da Onça divulgará em 10 de janeiro de 2017 um edital que visa selecionar dois poemas de cinquenta autores de Salvador nas categorias: Poesia (quarenta textos de 25 linhas, no máximo) e Conto (dez textos de no máximo 25 linhas) e consequente publicação em 5000 exemplares de uma antologia, sem custo para os participantes, que receberão cinco exemplares cada um, a título de direitos autorais.

Além do concurso literário, serão oferecidas oficinas de teatro, dança, Hip Hop, criação literária, que vão ser ministradas por membros do Sarau da Onça e convidados, com carga horária de quatro horas aos sábados ou domingos, com apresentação de mostras ao final do festival, num grande encontro n…