Pular para o conteúdo principal

Um Antônio Modesto



por Fernando Moura Peixoto*

“Não existe acaso.” [“Il n’y a pas de hasard.”]
- VOLTAIRE (1694 – 1778), ‘Zadig’.

Este foi o Antônio Modesto, revisor e tradutor, como se apresentou, modestamente, com certo acento mineiro, e a quem ofertei duas fotografias de minha autoria – uma da imagem do Cristo Redentor no alto do Corcovado e outra da enseada da Praia de Botafogo, vista do terraço do Botafogo Praia Shopping –, ambas assinadas.

O casual encontro deu-se na lanchonete do supermercado Pão de Açúcar, da Rua Voluntários da Pátria, no anoitecer de 5 de julho, uma terça-feira, quando me disse que ia visitar as filhas. Encetamos longa e interessante conversa, enquanto ele saboreava uma cerveja long neck’, à temperatura ambiente – ou seja, ao natural –, e eu tomava café.

Percebeu detalhes em minhas fotografias que eu mesmo jamais notara. E ainda dissertou sobre a chegada de Charles Darwin (1809 – 1882) ao Rio de Janeiro, quando o naturalista britânico encantou-se ante a visão da paisagem da Baía de Guanabara, em abril de 1832, a bordo do H.M.S. Beagle. Que aprendizado ouvir aquele senhor que conhecera há poucos minutos.

Era modesto mesmo, se tivesse dito quem realmente era, ficaria sabendo que já tinha votado nele, em 15 de novembro de 1978, quando foi o deputado federal de esquerda mais sufragado no Rio de Janeiro – 73.680 votos –, candidato recomendado por Chico Buarque de Hollanda (1944).
  
Sem óculos, e de cabelos grisalhos, não deu para reconhecê-lo. Mas existe uma esperança de reencontrá-lo: o Dr. Antônio Modesto da Silveira (1927), jurista renomado, um campeão na luta pelos direitos humanos – o advogado que mais defendeu perseguidos políticos no Brasil à época da ditadura militar –, pediu o número de meu telefone.

Disse-lhe que só ligasse depois do meio-dia: durmo muito tarde. Reconheço que dormi no ponto’ em não bater uma foto na ocasião, mas acabei escrevendo uma crônica mais ou menos histórica sobre um assunto nada modesto.

Elogios ao Doutor Modesto

“Prezado Fernando. Tudo a seu tempo e hora, vale o registro. Modesto abraço.” ABILIO FERNANDES, escritor e humorista, 6.7.16, Rio de Janeiro, RJ

“Que bacana! E ele já tem 89 anos! E é mineiro :) Vou torcer para que ele lhe telefone...” JUSSARA NEVES REZENDE, escritora e literata, 7.7.16, Machado, MG.

“Prezado Fernando. É o Modesto da Silveira sim. Foi deputado muito atuante. Combateu a ditadura. Foi candidato então recomendado pelo Chico Buarque. Abraços.” AFONSO ABELHEIRA, advogado, 7.7.16, Rio de Janeiro, RJ.

“Grato, estimado jornalista Fernando Moura Peixoto, pela sua crônica sobre Antônio Modesto da Silveira.
Há muitas pessoas importantes que passam despercebidas, visto que possuem também a virtude da humildade e da modéstia, aliás,

como se encontra também no nome desse homenageado.
Parabéns pela sua tendência de valorizar a memória de pessoas e instituições. Abraços.” HELIO BEGLIOMINI, médico, literato e acadêmico, 12.7.16, Tremembé, SP.


“Fernando, o senhor Antônio não é uma pessoa ‘comum’. Tem nome público. Penso que vai ser possível encontrá-lo. É uma questão de tempo. Aguarde!” MARIA JOSÉ DOS SANTOS PEIXOTO, assistente social, 12.7.16, Rio de Janeiro, RJ.

“Concordo com Voltaire. Atesto que não existe acaso. Teu casual encontro com Modesto já estava escrito nas estrelas. Antônio Modesto, político honrado e honesto. Homem que participou de vários manifestos e que teve relevante voz de protesto durante o período da ditadura militar.
Importante teres transformado em crônica o informal bate-papo. Insisto em dizer que desta forma e de alguma forma reverenciaste o Modesto. Belo gesto!
De resto, só me resta te parabenizar pelo excelente texto. Um grande abraço.” LÚCIA SENNA, escritora e cantora, 12.7.16, Rio de Janeiro, RJ.

“Caro Fernando, excelente crônica. Fica claro que o talento sempre habita pessoas modestas. Parabéns por trazer a público essa história gentil e poética.”  MARIA INÊS GALVÃO, jornalista e escritora, 13.7.16, Rio de Janeiro, RJ

“Fernando. Encontros como esse valem a vida! Eu também fui eleitora do aguerrido Modesto da Silveira.
Que bom saber que ele está vivo e bem de saúde. Abraços.” PATRÍCIA SANTORO, médica, 13.7.16, Rio de Janeiro, RJ.

“Modéstia à parte, a comemoração dos 90 anos de vida do modesto Antônio, em 23 de janeiro de 2017, não pode nem deve ser modesta!” J. PRAIANO, humorista, 13.7.16, Rio de Janeiro, RJ.
  
Foto: Internet

Saiba mais sobre o Dr. Modesto da Silveira assistindo sua entrevista em vídeo produzido pela Rio TV Câmara em 27/12/2012.


*Fernando Peixoto é um dos co-autores de Nós da Poesia. Participou com texto e foto em homenagem a Carlos Drummond de Andrade, do último livro, volume 5 da antologia - Nós da Poesia con Nosotros



Comentários

  1. Gostei muito de conhecer o Dr. Modesto da Silveira através de seu artigo, Fernando. E agora fiquei surpresa ao encontrar aqui meu comentário anterior... :)
    Parabéns pela matéria e por esta publicação :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Invitación a los escritores latinos a participar de la edición Nós da Poesia y Nosotros

INVITAMOS A LOS ESCRITORES LATINOS A PARTICIPAR DE LA EDICIÓN DE NÓS DA POESIA Y NOSOTROS EN QUE LA TEMÁTICA ES CONTRA EL INDIVIDUALISMO, EN UNA PROPUESTA DE MIRARMOS NUESTROS HERMANOS DE LATINOAMERICA.
Estamos utilizando la metáfora “el azúcar del vecino”, como algo que siempre tenemos que cooperar entre nosotros y ver desde el otro que está el lado, próximo como un amigo y hermano. Pueden enviar un poema o cuento poético hasta 3 páginas al máximo y una biografia de hasta 5 lineas para nosdapoesia@gmail.comesta semana, hasta viernes día 17.
La edición estará lista para el dia 23 de abril en Brasil, cuando es el lanzamiento en Bienal del Livro de Minas Gerais, en Belo Horizonte y luego en Encuentro Literário de Mercosur y Encuentro Latinoamericano Abrazo de Voces en Argentina.  (En Argentina se quiera y se puedes estar en esa fecha del final de abril, puedes participar de las actividades del encuentro y podemos incluso presentar algo juntos se quieres). Será muy bueno! Estuve año pasa…

“Santa Leitura” recebe convidados especiais neste domingo e lança concurso de redação

O evento agita a Praça de Santa Tereza e contagia todos que passam por lá No próximo domingo, dia 21 de agosto, o projeto “Santa Leitura”, segue levando cultura, entretenimento e alegria para a praça Duque de Caxias, em Santa Tereza (Praça de Santa Tereza), a partir das 10h, agora no terceiro domingo do mês.

Neste domingo o projeto “Santa Leitura”, que recebeu recentemente o prêmio “Por um Brasil de Leitores”, do Instituto Imersão Latina, receberá as ilustres presenças da escritora e contadora de histórias, Helenice Matias e do cantor Guilherme Mendes, participante do The Voice Kids Brasil. Também neste domingo será lançado o concurso “Vamos falar do Santa Leitura”, onde os frequentadores poderão participar enviando um texto com sua visão sobre o projeto. Três textos serão selecionados e premiados posteriormente. O prazo para entrega dos textos é até dia 18 de novembro de 2016 e o resultado final e premiação serão no dia 18 de dezembro de 2016.


CONCURSO:  VAMOS FALAR DO SANTA LEITURA…

Geraldo Vandré: Homenagem e reflexão

Por Dava Silveira*

Geraldo Vandré completa 81 anos em 12 de setembro e a questão da ditadura militar parece mais atual do que nunca. 

Estando a história do compositor entrelaçada com esse período da história do Brasil, resolvi selecionar um trecho do meu livro para ilustrar uma das heranças do golpe de 1964: “Geraldo Vandré exemplifica como ninguém os conflitos vividos pelo artista engajado dos anos 60. Influenciado pelas propostas do Centro Popular de Cultura, que pregava a “ida ao povo”, também convivia com a nova forma de articulação da indústria cultural com a música, tornando-a dependente de uma dinâmica mercantil que escapava ao seu controle.

Mas o compositor de “Caminhando” ilustra também o drama pelo qual passaram aqueles que se exilaram após a promulgação do AI-5 e que, ao retornarem, encontraram um país bem diferente. As transformações políticas, econômicas e culturais, provocadas pelo permanente controle do AI-5, tornaram possível a consolidação da indústria cultural, mudando,…