Livro "A5" relembra relembra tragédia política de golpe no Brasil em versos


Livro sobre o AI-5 será lançado na
Assembleia Legislativa de Minas Gerais
Dia 13 de dezembro, terça-feira, às 19 horas.
Entrada Franca.
O livro "A5" relembra os 48 anos do Golpe dentro do Golpe e, em versos,
refaz a tragédia política que se abateu sobre o Brasil por mais de 20 anos.

"Parece força do acaso. Cinco poetas se encontram dia 01 de abril de 2014, durante evento sobre os 50 anos do Golpe Militar no Brasil, na Assembléia Legislativa de Minas Gerais. Entre conversas, surge o papo sobre o AI5, a idéia de publicarem um livro e pronto. Passa-se o tempo e de vez em quando vem a cobrança de um e de outro, as idéias fluem e o porquê de se lançar em 2016, quando se completam 48 anos desse "golpe dentro do golpe" e não em 2018, quando seriam 50 anos do AI5? O medo de que aconteça outro golpe.(...)"

Esse é o preâmbulo da apresentação do livro "AI-5" (Baroni Edições), cinco poetas, com cinco poemas cada um, com prefácio do Secretário de Estado Nilmário Miranda, que será lançado no próximo dia 13 de dezembro, na Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais, às 19h, a Rua Rodriguês Caldas, 30, onde os poetas Bilá Bernardes, Helenice Maria Reis Rocha, Irineu Baroni, Petrônio Souza Gonçalves e Rogério Salgado estarão autografando o livro. 

Com capa e projeto gráfico do poeta e art desing Irineu Baroni e organizado pelo poeta Rogério Salgado, o livro tem como convidados a poeta e artista plástica Neuza Ladeira, uma das vítimas da ditadura e do AI-5; Christina Rodrigues, historiadora, que traça um perfil histórico da época e Dalva Silveira, escritora e pesquisadora, que faz uma análise sobre a influência do AI-5 nas artes no Brasil.
Ato Institucional Nº 5, ou AI-5, foi o quinto de uma série de Atos Institucionais emitidos pela ditadura militar brasileira nos anos seguintes ao Golpe Militar de 1964 no Brasil.  O AI-5, sobrepondo-se à Constituição de 24 de janeiro de 1967, bem como às constituições estaduais, dava poderes extraordinários ao Presidente da República e suspendia várias garantias constitucionais. Redigido em 13 de dezembro de 1968 pelo então Ministro da Justiça, Luís Antônio da Gama e Silva, o AI-5 entrou em vigor durante o governo do presidente Artur da Costa e Silva como represália ao discurso do deputado Márcio Moreira Alves na Câmara dos Deputados, em 2 de setembro de 1968. No discurso, o deputado propôs um boicote ao militarismo ("Quando não será o Exército um valhacouto de torturadores?") e solicitou ao povo brasileiro que ninguém participasse das comemorações do 7 de setembro. Evidente que o decreto também vinha na esteira de ações e declarações pelas quais a classe política fortaleceu a chamada linha dura da ditadura militar. Ou seja: foi mais um pretexto para implementar medidas defendidas pelos militares desde julho de 1968. Era o instrumento que faltava para que a ditadura, concentrado na figura do presidente, cassasse direitos políticos e interviesse nos municípios e estados. Sua primeira medida foi o fechamento do Congresso Nacional, até 21 de outubro de 1969.
Para a publicação as discussões sobre o assunto permearam o diálogo entre os autores, que no livro optaram em mostrar de maneira livre seus poemas, não que falam do fato AI5, mas que falam de toda e qualquer ditadura que tenha acontecido aqui ou acolá.

OS AUTORES

Bilá Bernardes nasceu em Santo Antônio do Monte em 22/01/1950. Tem artigos publicados na internet, em revistas e jornais nas cidades de Belo Horizonte, Lagoa da Prata, Santo Antonio do Monte e Buenos Aires. Participou em antologias no Chile, Buenos Aires, Bento Gonçalves/RS e Belo Horizonte. Publicou o livro de poesias FotoGrafias de DesCasamento, editora ANOME Livros, 2008, BH.  Membro da Academia de Letras de Santo Antônio do Monte - ACADSAL, é Cônsul de Poetas del Mundo, Embaixadora Universal da Paz pelo Cercle Universeldes Ambassadeurs de la Paix - Suisse / France. Tem poemas musicados em parceria com Cristiano Lima, Anand Rao, Jônatas Reis e Carolina Inês. 
  
Helenice Maria Reis Rocha
Começou a fazer poesia aos sete anos de idade Declamava para as professoras do colégio os  meus versos e escrevia no quadro negro. Explicava o que eu entendia ser linguagem poética. Com treze anos começou a estudar violão clássico com o professor Nelson Piló, assistente de Villa Lobos. Em 1964, explode o Golpe Militar. Seu pai estava, junto com a Sociedade Mineira de Concertos Sinfônicos, tocando o concerto de Villa Lobos para harmônica e orquestra. Ela tinha nove anos. Em 1975, entrou na Faculdade de Letras da UFMG. Clima de medo. Lembra-se de ter tentado assistir a uma palestra e a Universidade estar cercada por policiais. Em oitenta e um, foi eleita líder do Diretório Acadêmico. Apoiou a Quarta Internacional, que era trotskista e a OSI.

Irineu Baroni, mineiro de Belo Horizonte, poeta, contista, repórter fotográfico, cadeira 16 da Real Academia de Letras/RS; Autor do livro Poetisa, ganhador do prêmio Interarte de Literatura, pela Academia de Letras de Goiás em 2011. Publicou poesias em várias Antologias em São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e fora do País: na Argentina e Suíça. Representante mineiro da Associação Internacional Poetas Del Mundo, com sede no Chile. O poeta e design Irineu Baroni, aos 16 anos, vivenciou o "arrocho" imposto pelo AI-5. Ainda estão vivas em sua lembrança as várias vezes em que policiais cercaram as saídas da escola onde estudava, ainda no colégio localizado no Barreiro, e prenderam professores considerados subversivos e/ou comunistas, conforme a ótica da Ditadura. Mais à frente, já no cursinho pré-vestibular, após a promulgação do AI-5, a coisa piorou, com a imprensa muito vigiada e espiões por todo o lado. Irineu teve, nesta época, vários professores e conhecidos que nunca mais os viu...

Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor. Tem quatro livros publicados, sendo dois de poemas e um de contos, além de ser o organizador da biografia do político mineiro José Aparecido de Oliveira. Precoce, viveu os tempos da abertura, quando foi tomado por uma maturidade cívica, política e social, tendo como formação cultural e ideológica aquele momento, quando aprendeu a ouvir os artistas, jornalistas, pensadores, políticos e escritores que se destacavam naquela época. Hoje, Petrônio tornou-se amigo de boa parte daqueles nomes e homens que via e ouvia na década de 1980.

Rogério Salgado nasceu em Campos dos Goytacazes (RJ). Em 1980, com a morte da mãe, mudou-se para Belo Horizonte/MG. Em 1983, criou com Ecivaldo John e Virgínia Reis, a revista Arte Quintal, um dos mais importantes veículos culturais da época. Em 2000, criou com outros poetas, o Sarau da Lagoa do Nado, dando inicio à efervescência poética que iria crescer nos próximos anos na capital mineira. Criou e realizou entre 2005 e 2014 com Virgilene Araújo, o Belô Poético – Encontro Nacional de Poesia de Belo Horizonte, evento este que reunia na capital mineira, poetas de diversos estados do país e do exterior. Também com Virgilene Araújo, idealizou e realizou o projeto Poesia na Praça Sete, em Belo Horizonte/MG, que teve 5 edições, projeto esse realizado com os benefícios da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte. Figura em muitas antologias, entre elas: A Poesia Mineira no Século XX (Imago Editora-1999), organizado por Assis Brasil. Com diversos livros publicados, publicou em 2015 o livro de memórias Poeta Ativista, comemorando 40 anos de carreira literária.
Segue anexo fotos e capa do livro.

CRÉDITO DAS FOTOS: Alerson Pereira

BOX:
Livro: AI-5
Selo Editorial: Baroni Edições
Projeto gráfico da capa, contracapa e miolo: Irineu Baroni
Organização: Rogério Salgado
Nº de páginas: 72
Preço de lançamento: R$ 20,00 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Invitación a los escritores latinos a participar de la edición Nós da Poesia y Nosotros

“Santa Leitura” recebe convidados especiais neste domingo e lança concurso de redação

Geraldo Vandré: Homenagem e reflexão