Pular para o conteúdo principal

Sesc Palladium promove edição especial do Digas! Poesia Falada com o espetáculo “Garganta ao Vivo"

Poetas de Garganta. Foto de Bernardo Pauleira 

Espetáculo inédito se originou do LP de poesia falada “Garganta”, que reúne poemas de 20 celebrados autores contemporâneos. Com entrada gratuita, a apresentação poderá ser conferida no dia 19 de abril, às 20h. 

No próximo dia 19 de abril, quarta-feira, o Sesc Palladium promove uma edição especial do seu projeto Digas! Poesia Falada, com o espetáculo de poesiaGarganta ao Vivo. A montagem se originou do LP “Garganta”, documento sonoro em vinil que apresenta uma amostra da poesia contemporânea brasileira, reunindo trabalhos de alguns dos principais autores surgidos nos últimos 20 anos. Inédito e sem previsão de reapresentações, o espetáculo poderá ser conferido às 20h, no Grande Teatro do Sesc Palladium. Entrada gratuita, com retirada de ingresso 2h antes da sessão.

Em 2016, um grupo de poetas brasileiros se uniu para prensar um disco de vinil com poesia falada, buscando reavivar a tradição de LPs de poesia brasileira. O disco, denominado Garganta, lançado numa parceria da Embolacha com a Azougue Editorial, é o registro coletivo de uma amostra da poesia contemporânea brasileira, um retrato possível de alguma poesia falada por poetas atuantes hoje, no Brasil, contando com alguns dos principais nomes de autores surgidos nas duas últimas décadas: Alice Sant’Anna, Amora Pêra, Ana Martins Marques, André Dahmer, Angélica Freitas, Beatriz Azevedo, Bruna Beber, Domingos Guimaraens, Fabiano Calixto, Fabrício Corsaletti, Gregório Duvivier, Laura Liuzzi, Marcelo Montenegro, Mariano Marovatto, Omar Salomão, Pedro Lago, Pedro Rocha, Sergio Cohn, Thiago E. e Vitor Paiva. Registrado também em formato de livro, o Garganta sobe agora aos palcos em uma inédita iniciativa.

Garganta ao Vivo é um espetáculo de poesia propriamente dita, uma apresentação dos poetas reunidos no LP. O evento permitirá ao público a rara experiência de ver tantos poetas importantes da nova geração interagindo no mesmo palco, lendo não apenas os poemas contidos no disco, mas também outros textos, alguns especiais para a noite. A apresentação contará também com uma intervenção especial do autor e desenhista André Dahmer. O artista fará desenhos ao vivo, que serão projetados no ciclorama. Além disso, Fabrício Corsaletti, LauraLiuzzi e Mariano Marovatto, que não estarão presentes no dia, participarão em formato audiovisual. “A ideia do Garganta é muito próxima a do nosso projeto, Digas! Poesia Falada, que é a apresentação fônica da poesia e a celebração dos poetas que estão em produção. O espetáculo surgiu do convite da materialização do vinil: uma gravação ao vivo com foco na poesia falada, mas ressaltando a interface artística com outras artes.”, destaca Lídia Mendes, responsável pela programação literária do Sesc Palladium.

Para o articulador do Garganta, Sergio Cohn, o espetáculo é muito diferente das apresentações e eventos de poesia que acontecem normalmente: “O Garganta ao Vivo é como uma Big Band de poetas, esse é seu diferencial. Como sabemos, no geral, um sarau pode até ser temático, mas são poetas lendo os textos de forma autônoma, independente. O Garganta ao Vivo propõe uma construção de diálogo entre os textos, uma construção temática, rítmica e de atração. O espetáculo é sim um grupo de poetas, mas um grupo amparado em um diálogo, como se fosse um arranjo de uma  Big Band.”.

No dia do espetáculo, o LP de poesia Garganta poderá ser adquirido em uma condição especial: comprando o disco, a pessoa levará gratuitamente o livro. Na ocasião, as duas obras sairão por R$80,00 (o preço regular no site da editora é de R$150,00).

::SOBRE O DIGAS! POESIA FALADA::
O Digas! Poesia Falada tem como propósito abrir espaço para a poesia falada e novos autores, além de proporcionar ao público em geral a oportunidade de apreciar estes poemas apresentados oralmente e, com isso, desenvolver um público consumidor de poesia, em suas variadas formas e possibilidades. Não se tratam de recitais, pois o projeto pretende oferecer, a cada edição, maneiras informais de envolver o público e apresentar a poesia sem o estereótipo de ser algo ‘para poucos’.

::SERVIÇO::
Digas! Poesia Falada - Garganta ao Vivo
Data: 19/4
Horário: 20h
Local: Grande Teatro do Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)
Duração: 90 min.
Classificação: 14 anos
Informações: (31) 3270-8100
Entrada: gratuita, com retirada de ingressos 2h antes 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma década sem Artur da Távola

Soneto Inascido
O poema subjaz. Insiste sem existir  Escapa durante a captura   Vive do seu morrer.
O poema lateja. É limbo, é limo, Imperfeição enfrentada Pecado original.
O poema viceja no oculto Engendra-se em diluição Desfaz-se ao apetecer.
O poema poreja flor e adaga  E assassina o íncubo sentido. 
Existe para não ser.
(Artur da Távola) 
Por Fernando Moura Peixoto

“Artur da Távola – a pretexto ou a reboque da televisão – borda crônicas de nossa angústia cotidiana, tirando de cada átomo de significância televisionária uma lição ou pensação que seguramente constitui, para cada um dos seus leitores, uma pausa reflexiva no turbilhão insensato do dia a dia. É que nele há moral sem moralismo caturra e fechado, esperança sem embustes ilusionistas, cepticismo sem náusea, carinho psicolinguístico espontâneo capaz de captar os valores significados nos termos e vocábulos novos transados aqui e ali. Com isso, Artur da Távola tem sua legião de leitores gratos, em que me inscrevo grato.” ANTONIO HOUAISS (1915…

Un poema a las Madres de la Plaza de Mayo de Argentina

Para Ti Madre De La Plaza De Mayo
Yo también soy tu hijo, Madre de la Plaza de Mayo. Como somos tus hijos Todos nosotros, Los hombres que tenemos Una conciencia libertária!... En mi país, Madre, No tenemos una Plaza de Mayo. Y tampoco hace falta, Pués todo el país, Madre, És una imensa plaza de Mayo!... Tu dolor, Madre de la Plaza de Mayo, És el dolor de la própria Democracia, Siempre amenazada por los uniformes y las botas. LLoro contigo, Madre, El desaparecimiento de tus hijos, Mis hermanos y hermanas argentinos, Y te nombro Madre, Porque sé Que si yo hubiera nacido en tu país, Mi pobre madrecita, Estaria junto a vosotras En la Plaza de Mayo, Preguntando por mi...
Buenos Aires, Febrero de 1983
© Lenine de Carvalho Do Livro Estação Lobo Azul (ou P.X. A Caixa Mágica) http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=Lenine www.loboazul.avbl.com.br

Nós da Poesia prepara nova edição. Participe até 15 de janeiro de 2018!

A próxima antologia Nós da Poesia (volume 6) terá como tema Va...idades / Van...idades(falará sobre a passagem do tempo, memória e valorização da vida). 

Participe enviando 4 poemas ou prosas poéticas. As inscrições estão abertas de hoje 15/10/2018 a 15/01/2018. 

Basta enviar seus textos em português ou espanhol para o e-mail: nosdapoesia@gmail.com. 

Participe e concorra a prêmios de publicação para os 3 primeiros colocados e de edição cooperativa para 30 participantes. A publicação é organizada pelo Instituto Imersão Latina.