Pular para o conteúdo principal

Especial Dia das Mães: a poetisa da saudade Zurica Peixoto presta homenagem à sua mãe


“As palavras mais bonitas e sinceras nem sempre nos afloram aos lábios com facilidade. Elas nos escapam e ocultam-se como pedras preciosas no recôndito do nosso coração.”
- ZURICA PEIXOTO, “Fragmento”, sem data.

 A escritora e poetisa ZURICA GALVÃO PEIXOTO (16/12/1914 – 16/7/2005) nasceu na cidade histórica de Penedo, em Alagoas, e faleceu aos 90 anos de idade no Rio de Janeiro, onde residiu com a família, desde 1937, em Copacabana. Sua biografia, fotos e vídeo integram virtualmente o MUSEU DA PESSOA em São Paulo:
http://www.museudapessoa.net/pt/conteudo/pessoa/zurica-galvao-peixoto-103943

A Penedense ZURICA PEIXOTO não se casou nem transmitiu a nenhuma criatura o legado de sua imensa bondade e delicadeza. Mas nos deixou poesias, pensamentos, redações, crônicas e orações, que foram publicados postumamente graças à mídia de sua terra natal, Penedo, ALAGOAS, e ao sobrinho carioca Fernando Moura Peixoto (1946-), que recuperou boa parte de seu trabalho e fotografias.

Zurica, “a poetisa da saudade” – epíteto que lhe colocou o jornalista Antonio Castigliola (1951 – 2010), que a considerou ainda “um ser solar” – nos brinda com duas poesias dedicadas a sua mãe, LAURA GALVÃO PEIXOTO (1889 – 1973), uma sergipana de Brejo Grande, a quem sempre devotou grande amor, admiração e carinho.
 (Laura Galvão Peixoto) (Rio 1928, Arquivo FMP)

EM MEMÓRIA DE MINHA MÃE
(Rio de Janeiro, 8 de maio de 1977, aos 62 anos)

Neste Dia das Mães, de ternura e emoção,
Uma lágrima pela face sinto a rolar…
Uma saudade pungente, uma saudade infinda
A invadir, a envolver e torturar meu coração…

Saudade de ti, Mãezinha querida,
Das palavras doces que costumava dizer…
Saudade de tudo aquilo que por mim vivias a fazer…
Do teu carinho, da tua mão amiga a me abençoar…

Uma lágrima novamente pela face sinto a rolar,
Uma saudade imensa neste dia de tanta recordação…
A tua voz cheia de suavidade…
A tua meiguice, a tua bondade…

Ai, quem dera hoje, ao teu encontro pudesse correr
Para te afagar e te beijar…
E num longo abraço, juntinho a ti, em teu regaço
Minhas tristes mágoas fosse esquecer…

Mas, não importa que estejas ausente,
Nem a distância tão grande da Eternidade,
Porque tu és a mãe querida,
E estará sempre presente
Por toda a minha vida…
Uma lágrima… Uma saudade…
(Laura e Zurica, 1925)  (Penedo-AL, Arquivo FMP)

SAUDADES DE MINHA MÃE
(Rio de Janeiro, sem data)

Eu a vejo, lá distante, a me acenar,
Braços abertos, como a me esperar…
E quem dera, pudesse eu ir
Logo ao seu encontro,
Pois é grande a saudade que sinto
Sem a sua presença para me consolar.

Vida afora tenho seguido,
Triste, amargurada,
Sem planos, sem destino pela estrada,
Não tendo ninguém para me amparar.

Neste dia de hoje, ‘Dia das Mães’,
Como eu quisera tê-la junto a mim,
Para receber a sua ternura, o seu carinho.

Doces lembranças da infância,
Aconchegada ao seu regaço,
Sentindo todo o calor,
A força imensa da sua bondade.

E a sinceridade dos seus afagos,
Que me faziam esquecer qualquer maldade,
Ficando segura, protegida,
E acreditando ainda na felicidade.

-(Zurica Galvão Peixoto) (Rio, s/d, Arquivo FMP)

Uma viagem pelo mundo fantástico de Zurica Peixoto pode ser empreendida assistindo-se ao vídeo do mesmo nome no link:
https://www.youtube.com/watch?v=kJsGxQiqsiE

“Mãe não morre nunca, mãe ficará para sempre junto de seu filho...”
- CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (1902 – 1987), “Para Sempre”, in ‘Lição de Coisas: poesia’, José Olympio, 1965.
(CDA, grafite em Copacabana) (Foto Fernando M.Peixoto)
Compilação fotográfica, texto e vídeo:
Fernando Moura Peixoto (ABI 0952-C)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Invitación a los escritores latinos a participar de la edición Nós da Poesia y Nosotros

INVITAMOS A LOS ESCRITORES LATINOS A PARTICIPAR DE LA EDICIÓN DE NÓS DA POESIA Y NOSOTROS EN QUE LA TEMÁTICA ES CONTRA EL INDIVIDUALISMO, EN UNA PROPUESTA DE MIRARMOS NUESTROS HERMANOS DE LATINOAMERICA.
Estamos utilizando la metáfora “el azúcar del vecino”, como algo que siempre tenemos que cooperar entre nosotros y ver desde el otro que está el lado, próximo como un amigo y hermano. Pueden enviar un poema o cuento poético hasta 3 páginas al máximo y una biografia de hasta 5 lineas para nosdapoesia@gmail.comesta semana, hasta viernes día 17.
La edición estará lista para el dia 23 de abril en Brasil, cuando es el lanzamiento en Bienal del Livro de Minas Gerais, en Belo Horizonte y luego en Encuentro Literário de Mercosur y Encuentro Latinoamericano Abrazo de Voces en Argentina.  (En Argentina se quiera y se puedes estar en esa fecha del final de abril, puedes participar de las actividades del encuentro y podemos incluso presentar algo juntos se quieres). Será muy bueno! Estuve año pasa…

“Santa Leitura” recebe convidados especiais neste domingo e lança concurso de redação

O evento agita a Praça de Santa Tereza e contagia todos que passam por lá No próximo domingo, dia 21 de agosto, o projeto “Santa Leitura”, segue levando cultura, entretenimento e alegria para a praça Duque de Caxias, em Santa Tereza (Praça de Santa Tereza), a partir das 10h, agora no terceiro domingo do mês.

Neste domingo o projeto “Santa Leitura”, que recebeu recentemente o prêmio “Por um Brasil de Leitores”, do Instituto Imersão Latina, receberá as ilustres presenças da escritora e contadora de histórias, Helenice Matias e do cantor Guilherme Mendes, participante do The Voice Kids Brasil. Também neste domingo será lançado o concurso “Vamos falar do Santa Leitura”, onde os frequentadores poderão participar enviando um texto com sua visão sobre o projeto. Três textos serão selecionados e premiados posteriormente. O prazo para entrega dos textos é até dia 18 de novembro de 2016 e o resultado final e premiação serão no dia 18 de dezembro de 2016.


CONCURSO:  VAMOS FALAR DO SANTA LEITURA…

Geraldo Vandré: Homenagem e reflexão

Por Dava Silveira*

Geraldo Vandré completa 81 anos em 12 de setembro e a questão da ditadura militar parece mais atual do que nunca. 

Estando a história do compositor entrelaçada com esse período da história do Brasil, resolvi selecionar um trecho do meu livro para ilustrar uma das heranças do golpe de 1964: “Geraldo Vandré exemplifica como ninguém os conflitos vividos pelo artista engajado dos anos 60. Influenciado pelas propostas do Centro Popular de Cultura, que pregava a “ida ao povo”, também convivia com a nova forma de articulação da indústria cultural com a música, tornando-a dependente de uma dinâmica mercantil que escapava ao seu controle.

Mas o compositor de “Caminhando” ilustra também o drama pelo qual passaram aqueles que se exilaram após a promulgação do AI-5 e que, ao retornarem, encontraram um país bem diferente. As transformações políticas, econômicas e culturais, provocadas pelo permanente controle do AI-5, tornaram possível a consolidação da indústria cultural, mudando,…