Poema de Líria Porto: Ribeirinha


Ribeirinha

Por líria porto

comecei na lida cedo
ajudo a mãe no de comer

sinto inveja não
nem de quem tem terra
nem de quem tem luxo

faço panelas
: tiro o barro bato amasso moldo queimo
tudo assim - na dificuldade

igual canoa no rio
não sou de deixar rastilho
estou de passagem

tenho pele de escama
gosto de peixe

--

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Invitación a los escritores latinos a participar de la edición Nós da Poesia y Nosotros

“Santa Leitura” recebe convidados especiais neste domingo e lança concurso de redação

Geraldo Vandré: Homenagem e reflexão