Pular para o conteúdo principal

Literatura indígena na Feira Pan-amazônica do livro

ESCRITORAS: Encontro coloca cultura ancestral no centro do debate 


Márcia Kambeba: um livro para possibilitar a união entre povos diferentes 
A literatura indígena foi o tema central do Encontro Literário Paraense,  uma das programações da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, que acontece no Hangar até o dia 8 de junho. Ontem, as escritoras Márcia Kambeba, da etnia Omágua/ Kambeba, e Murué Surui, da etnia Aikewára falaram sobre suas obras e a importância da preservação e valorização da cultura indígena. Além disso, Márcia lançou o livro de poesias “Kakyri Tama Eu Moro na Cidade”, e Murué o “Histórias dos índios Aikewára”.
Segundo Márcia o objetivo de seu livro foi recontar parte da história e formas de vida de seu povo. A ideia é, a partir da obra, possibilitar a união entre os povos de diferentes etnias. “A proposta é de unificar, não só os que estão na aldeia como também quem já está inserido na cidade. Eu por exemplo, sou indígena, mas vivo na cidade. Afinal, o que nos indentifica não é só a, língua ou as grafias que fazemos em nosso corpo, mas o conhecimento que temos sobre quem nós somos, o sentimento de pertencimento”, diz. A escritora é amazonense e reside no Pará há três anos. Seu livro tem como base a tese de mestrado elaborado por ela e que tem como foco o estudo da história da etnia Omágua/ Kambeb, educação ambiental e desenvolvimento sustentável.
O livro de poemas retrata parte da história e da realidade dos povos indígenas, a partir do olhar de quem é também indígena. “A ideia do livro surgiu das indagações que são direcionadas a mim, seja em palestras ou quando alguém sabe que sou indígena. Há muita ingnorância e falta de informação. O livro tem como objetivo esclarecer sobre a cultura e ajudar a unir os povos numa tentativa de enfrentar o preconceito, pois é ele que nos separa. O livro tem como objetivo mostra essa cultura que é milenar”, diz Marcia que é mestre em Geografia. 
Informações enviadas por: Ilma Teixeira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sesc Palladium promove edição especial do Digas! Poesia Falada com o espetáculo “Garganta ao Vivo"

Espetáculo inédito se originou do LP de poesia falada “Garganta”, que reúne poemas de 20 celebrados autores contemporâneos. Com entrada gratuita, a apresentação poderá ser conferida no dia 19 de abril, às 20h. 
No próximo dia 19 de abril, quarta-feira, o Sesc Palladium promove uma edição especial do seu projeto Digas! Poesia Falada, com o espetáculo de poesiaGarganta ao Vivo. A montagem se originou do LP “Garganta”, documento sonoro em vinil que apresenta uma amostra da poesia contemporânea brasileira, reunindo trabalhos de alguns dos principais autores surgidos nos últimos 20 anos. Inédito e sem previsão de reapresentações, o espetáculo poderá ser conferido às 20h, no Grande Teatro do Sesc Palladium. Entrada gratuita, com retirada de ingresso 2h antes da sessão.
Em 2016, um grupo de poetas brasileiros se uniu para prensar um disco de vinil com poesia falada, buscando reavivar a tradição de LPs de poesia brasileira. O disco, denominado Garganta, lançado numa parceria da Embolacha com a …

Uma viagem à memória de Penedo por Zurica Peixoto

“Se imagino, vejo. Que mais faço eu se viajo? Só a fraqueza extrema da imaginação justifica que se tenha que deslocar para sentir.” 
FERNANDO PESSOA (1888 – 1935)  Rio de Janeiro, junho de 1940.
Acometida de forte gripe, moléstia importuna, cacete, que me retém em casa, esclusa e sem poder sair, sinto-me isolada, qual prisioneira que estivesse a cumprir sua pena. Aborrecida, sem saber o que fazer, tomo ao acaso os jornais vespertinos, cheios de escandalosos cabeçalhos. De relance, corro os fatos do dia, as crônicas sociais... São inúmeros os programas dos cinemas e teatros. Há reclames e mais reclames das festas juninas nos clubes e cassinos. Jogo à distância os jornais. Tudo me enfastia nesta noite. Em casa, quase todos saíram. A solidão deixa-me ainda mais aborrecida e entediada... Por que diabos inventaram a doença, principalmente quando se é moço?...

Passeio em volta da sala de estar. Ando para lá e para cá, num vaivém contínuo. Detenho-me ao rádio e ligo, indiferentemente, na es…

Nós da Poesia prepara nova edição. Participe até 15 de janeiro de 2018!

A próxima antologia Nós da Poesia (volume 6) terá como tema Va...idades / Van...idades(falará sobre a passagem do tempo, memória e valorização da vida). 

Participe enviando 4 poemas ou prosas poéticas. As inscrições estão abertas de hoje 15/10/2018 a 15/01/2018. 

Basta enviar seus textos em português ou espanhol para o e-mail: nosdapoesia@gmail.com. 

Participe e concorra a prêmios de publicação para os 3 primeiros colocados e de edição cooperativa para 30 participantes. A publicação é organizada pelo Instituto Imersão Latina.