Pular para o conteúdo principal

Terreiro de Brother reúne manifestações culturais diversas

Shows de música e poesia vão fazer do Centro Mineiro de Cultura no bairro São Paulo uma reunião de ritmos e vozes


O Centro Mineiro de Cultura apresenta Terreiro de Brother, shows itinerantes que se iniciam neste sábado, 28 de março, às 19 horas. O Centro Mineiro de Cultura fica na rua Maria Piétra Machado 123, no bairro São Paulo. O espaço conhecido como curral do samba já recebeu em sua história artistas diversos.
Djalma e Jone Herno

O músico Djalma Januário, vocalista da banda Agbara e agente cultural de longa data, junto com percussionista Jone Herno coordenam esse significante projeto que vai girar de norte a sul de Belo Horizonte.

A abertura do Terreiro de Brother será uma grande celebração de arte, no mês internacional das mulheres e da poesia. A noite começa com o recital Poesias de Março, coordenado pela Associação Internacional de Poetas, Imersão Latina e UNIAC. Estão confirmadas a participação dos poetas:  Brenda Mars, Carlos Barroso, Consuelo Aragão, Ênio Poeta, José Hilton Rosa, Martha Reis, Newton Emediato e Rosângela Ferris.

Lu Toledo
Música feita por mulheres
Os shows musicais começam com a cantora Lú Toledo destilando MPB.
A cantora possui um estilo peculiar de cantar com voz que expressa delicadeza e lirismo ao mesmo tempo
em que consegue exprimir como quem realmente acredita no que diz. Como nas palavras de um fã escritor que lhe escreveu: “Que mulher é essa que quando canta solta sua alma como pássaros escapando de uma gaiola, numa demonstração de felicidade pura?”

Cáusticas
Na sequência a Cáustica marca presença com o rock feminino das mulheres Cáusticas. Formada por Brenda Mars, bateria e voz, Polly Alves, baixo e voz, Pâmilla Villas Boas, guitarra e voz e Bárbara Lopes, voz e percussão, a banda traz músicas autorais, incluindo a música Nada de Cor. O single foi gravado no estúdio Minério de Ferro, da banda de pop rock Jota Quest e está sendo lançado este mês. A música é da banda Cáustica, com co-autoria de Fab Palladino e arranjos de Filipe Marks. A produção do clip de divulgação da música de Renato Gaia e Paloma da Matta Machado e pode ser conferida pelo facebook.com/banda.caustica


Banda Agbara divulga seu novo trabalho Agbalá

A banda Agbara está divulgando seu mais recente trabalho Agbalá ,com repertório ecleticamente bem colocado traz no seu conteúdo elementos que formam a digital da banda, fusão de seguimento diferenciados da música brasileira, principalmente as de matrizes africanas. A banda Agbara representa e promove cultura e arte há quase duas décadas e lança agora divulga talentos que despontam na querida Minas Gerais.

Serviço:
Terreiro de Brother: encontro de arte e culinária
28/03/2015 às 19 horas
Local: Centro Mineiro de Cultura (rua Maria Piétra Machado 123, bairro São Paulo, em Belo Horizonte, Minas Gerais)
Recital Poesias de Março e shows de Lú Toledo, Cáusticas e Agbara.
Valor dos ingressos: R$ 10,00


Mais informações: (31) 88616899/ 35882976

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Un poema a las Madres de la Plaza de Mayo de Argentina

Para Ti Madre De La Plaza De Mayo
Yo también soy tu hijo, Madre de la Plaza de Mayo. Como somos tus hijos Todos nosotros, Los hombres que tenemos Una conciencia libertária!... En mi país, Madre, No tenemos una Plaza de Mayo. Y tampoco hace falta, Pués todo el país, Madre, És una imensa plaza de Mayo!... Tu dolor, Madre de la Plaza de Mayo, És el dolor de la própria Democracia, Siempre amenazada por los uniformes y las botas. LLoro contigo, Madre, El desaparecimiento de tus hijos, Mis hermanos y hermanas argentinos, Y te nombro Madre, Porque sé Que si yo hubiera nacido en tu país, Mi pobre madrecita, Estaria junto a vosotras En la Plaza de Mayo, Preguntando por mi...
Buenos Aires, Febrero de 1983
© Lenine de Carvalho Do Livro Estação Lobo Azul (ou P.X. A Caixa Mágica) http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=Lenine www.loboazul.avbl.com.br

Uma década sem Artur da Távola

Soneto Inascido
O poema subjaz. Insiste sem existir  Escapa durante a captura   Vive do seu morrer.
O poema lateja. É limbo, é limo, Imperfeição enfrentada Pecado original.
O poema viceja no oculto Engendra-se em diluição Desfaz-se ao apetecer.
O poema poreja flor e adaga  E assassina o íncubo sentido. 
Existe para não ser.
(Artur da Távola) 
Por Fernando Moura Peixoto

“Artur da Távola – a pretexto ou a reboque da televisão – borda crônicas de nossa angústia cotidiana, tirando de cada átomo de significância televisionária uma lição ou pensação que seguramente constitui, para cada um dos seus leitores, uma pausa reflexiva no turbilhão insensato do dia a dia. É que nele há moral sem moralismo caturra e fechado, esperança sem embustes ilusionistas, cepticismo sem náusea, carinho psicolinguístico espontâneo capaz de captar os valores significados nos termos e vocábulos novos transados aqui e ali. Com isso, Artur da Távola tem sua legião de leitores gratos, em que me inscrevo grato.” ANTONIO HOUAISS (1915…

Nós da Poesia prepara nova edição. Participe até 15 de janeiro de 2018!

A próxima antologia Nós da Poesia (volume 6) terá como tema Va...idades / Van...idades(falará sobre a passagem do tempo, memória e valorização da vida). 

Participe enviando 4 poemas ou prosas poéticas. As inscrições estão abertas de hoje 15/10/2018 a 15/01/2018. 

Basta enviar seus textos em português ou espanhol para o e-mail: nosdapoesia@gmail.com. 

Participe e concorra a prêmios de publicação para os 3 primeiros colocados e de edição cooperativa para 30 participantes. A publicação é organizada pelo Instituto Imersão Latina.